O meu mundo e o mundo dos outros. Inquietação e solidão. A máscara.

Não era para publicar hoje, não sei bem o que estou a sentir. Sinto uma inquietação em mim, esta noite. Não estou em paz de espírito.
Ultimamente, tenho estado com amigos. As férias de fim de ano permitiram isso. Na verdade, não tenho parado com tantas saídas. E acho que pode ser isso que está a causar este desassossego em mim e também a solidão. Existe um contraste abismal na minha vida, entre o meu mundo e o mundo lá de fora. No exterior, estou sempre acompanhado por pessoas que gostam de mim, mas que não fazem a mínima ideia pelo que tenho passado. Interiormente sinto-me só, triste. Há efectivamente um grande contraste. Já aqui tinha dito que estou rodeado de gente por todos os lados, mas no fundo não tenho ninguém. Estou longe e largado no meu mundo imenso, um mundo de emoções e desilusões. Esta divergência de ambientes deixa-me assim. Ver os outros felizes faz-me confusão. Não é inveja, é mais uma incógnita. Como é que os outros fazem para ser felizes à sua maneira e ultrapssar os seus obstáculos? Porque é que eles conseguem e eu não? Porque é que tem de ser assim? Porquê eu? As interregoções aumentam de dia para dia à medida que esta dor me vai aniquilando. Está a começar a ser difícil conciliar estes dois mundos - o meu e o dos outros. Começou a afectar-me a valer. Tenho vontade de andar, correr, gritar, cantar, saltar, voar, sair deste mundo solitário e sufocante e viver a vida em conjunto com os outros. Ser um deles, ser feliz como eles. Não consigo. Porém, finjo conseguir. Rir, sair, falar, ouvir, tudo faz parte do disfarce. Uso uma máscara há um ano. Uma máscara que tapa toda a mágoa e frustração que sinto. Uma máscara que mostra um Miguel que não existe, nem de perto nem de longe. Uma máscara que conspira contra mim, que apoia a minha auto-destruição.
Outra coisa em que tenho reflectido é se valeu a pena isto tudo que fiz e o que ainda irei fazer. Se me questionassem "Apaixonar-te-ias pelo Hugo se soubesses que isto te aconteceria?" a resposta seria não. Uma coisa que aprendi foi que não se deve enfrentar a improbablidade nem desafiar a impossibilidade. Mas fi-lo. Fi-lo porque sempre fui um sonhador. E acima de tudo, sou um ser humano, não um robot sem sentimentos ou emoções. Portanto, se me perguntassem "Voltarias a fazer tudo de novo?" a resposta seria sim, porque sei que estive sempre em busca de um sonho, de algo que idealmente me faria bem. Correrei sempre atrás daquilo em que acredito ser o melhor para mim, seja o que for. Isto pode parecer um pouco contraditório, mas deixo a ideia de que mesmo sabendo que ia sofrer eu estava a correr atrás de um sonho. E só isso já valeu a pena.
Tento lutar contra esta solidão que às vezes me parece ser uma opção, mas que na realidade não é. Estar num espaço físico com gente não significa estar acompanhado. Perdi a conta às vezes em que estive em grupo e que me abstraí das conversas, em que me perdi nos meus pensamentos. Solidão é isolamento, é não ter ninguém por perto, que nos compreenda, que nos ajude. O Hugo deve achar que eu não raciocino direito, que este fixação não é normal. E tem toda a razão. É mesmo invulgar e eu não sei explicar. Nunca me aonteceu. Eu sou invulgar, sempre gostei de me diferenciar dos outros. Mas posso garantir que sou normal e inteligente ou então não saberia ler ou escrever, não estaria no ensino superior, etc. Não tenho nenhum distúrbio mental. Se tivesse não sofreria assim. Infelizmente, tenho a plena consciência do que me está a acontecer; uma pessoa louca não teria. Apetece-me fazer analogias, sinto-me melhor ao fazê-las. Quero que saibam como me sinto. Sinto-me como gelo a quebrar, como um terramoto, como um navio a afundar, como um naufrágo a afogar-se, como uma floresta a arder. Tenho uma necessidade de chorar e chorar para aliviar este sofrimento. Só lhe pedi diálogo e ele desapareceu! Preferiu deixar-me na solidão. Não se deu ao luxo de deixar alguém "diferente" como eu entrar na vida. Parece que lhe pedi um mundo quando não lhe pedi quase nada. Só queria ter a confirmação de que o que fiz não foi em vão. Só isso.

E digo mais...Este foi o desabafo que mais me custou escrever/publicar até hoje. Pergunto-me até quando vou aguentar fazer isto.

5 Response to "O meu mundo e o mundo dos outros. Inquietação e solidão. A máscara."

  1. Tiago Says:

    A cada nova publicação que eu leio, sinto-me cada vez mais embrenhado na tua história! Os meus parabéns pela forma como escreves. ;)

    Respondendo à questão da "máscara", não acho que seja de forma alguma saudável andares a esconder o que sentes a pessoas que há partida gostam de ti e vão te compreender. Podem não ajudar muito, mas são teus amigos.

    Abraços e força,
    Tiago.

  2. José Says:

    Feliz 2011...Que o melhor de 2010 seja o pior de 2011...

    "Tenho vontade de andar, correr, gritar, cantar, saltar, voar, sair deste mundo solitário e sufocante e viver a vida em conjunto com os outros. Ser um deles, ser feliz como eles. Não consigo."

    Tudo tem o seu tempo, e eu acredito que o teu irá chegar, assim como irá chegar o meu.
    Hoje para mim está a ser um dia estranho, sinto-me sozinho, com um coração pequeno, um pequeno grão de areia no meio do deserto.
    Sinto-me infeliz e sem força. Confuso para saber se devo ou não continuar. Também me apetece desaparecer, para deixar que as coisas para as outras pessoas sejam mais fáceis, também me sinto só, como se não valesse nada, nem valesse nada para ninguém. Quem ninguém dá um carinho, ou gosta verdadeiramente de mim...

    Há dias para todos os gostos, e desculpa este meu desabafo aqui, mas tem sido aqui que, ao ler-te, me apetece escrever um bocadinho e sair da minha realidade.

    Um abraço!
    José

  3. Miguel Says:

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
  4. Miguel Says:

    Tiago

    Muito obrigado. A minha escrita tornou-se mais solta e criativa por causa disto. Nunca imaginei escrever certas coisas, confesso. E sim, eu devia livrar-me da "máscara", mas para já não.

    José

    Desculpa a resposta tardia.

    Podes sempre desabafar quando quiseres. Este blogue é também um meio de interacção. :)

  5. José Says:

    Miguel, não tinhas, nem tens obrigação a responder-me...Só que eu realmente gosto de passar aqui, visitar, ler...E um dia ler-te feliz!!!